MORADORES PRECISAM COLABORAR COM AÇÕES DE PREVENÇÃO À DENGUE REALIZADAS PELO CCZ

A forma agressiva com que alguns moradores recebem os agentes prejudica a execução do serviço

A agressividade, o descaso e a falta de interesse de alguns moradores de Foz do Iguaçu ao receber os agentes de endemias do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) para vistoria do quintal gerou um alerta do CCZ. Ao todo, cerca de 30 mil visitas são realizadas por mês pela equipe composta de quase 100 agentes, mas, apesar do número expressivo, a falta de interesse dos iguaçuenses preocupa o controle de endemias.
 
As visitas são feitas de segunda à sexta-feira das 8h às 14h, e excepcionalmente aos sábados, por agentes devidamente uniformizados, com roupa de identificação, boné, bota e bolsa branca com o símbolo do CCZ. Entretanto, nem o uniforme está sendo suficiente para realização das vistorias periódicas.
 
De acordo com o supervisor dos agentes de endemias do CCZ, Orestes Neto, muitos moradores recebem de forma agressiva os agentes de controle de endemias. “É uma rotina estressante e muitas vezes perigosa. A maior dificuldade é a efetividade da população, a vistoria é diferente de um trabalho que tinha antigamente da carrocinha que ia buscar um cachorro quando o dono não queria mais ou como quando prestávamos a atividade de vacina casa a casa. Esse trabalho consiste em verificar água parada e lixo, é um trabalho constante”, explica Orestes.
 
Segundo o supervisor, em alguns casos, os moradores chegaram a mostrar arma de fogo, intimidando o agente. “São vários relatos, já tivemos situações que o morador mostrou a arma e falou que não queria ter a residência vistoriada e ainda casos que o munícipe pede para passar mais tarde, pois está muito cedo, o que atrapalha o cronograma de visitação. Pois a rua toda pode estar de acordo, mas talvez naquela casa que o morador não deixou entrar, pode ter foco do mosquito ou criador de outros animais peçonhentos”, revela o supervisor.
 
Além de atuar no combate à dengue, eliminando os focos do mosquito e orientando moradores, o CCZ atua no combate a criação de animais peçonhentos e identificação de leishmaniose. “A partir das informações recebidas pelo agente, é possível salvar vidas. Estamos levando saúde aos iguaçuenses, a visita demora no máximo 15 minutos e vai proteger toda aquela região visitada contra os mosquitos e animais peçonhentos”, destaca Orestes.
 
Vistoria
A vistoria do agente é feita com um percurso dentro do imóvel, a fim de identificar se existe algum problema, desde garrafas acumulando água, vasos de plantas, caixa de água, caixa de gordura, poço e fossas.
 
Os agentes também verificam questões de maus tratos de cachorros, se eles são mantidos no sol, se recebem água ou se ficam presos.
Ao receber a vistoria o morador também é orientado caso tenha acumulo de entulho que sirva de abrigo de aranha e escorpião
(AMN)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *